Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
Porto Alegre, 19 de Janeiro de 2019. Aumenta a Fonte [ A + ]   [ A - ]  
 

A Saúde e a Medicina no limiar de um novo ano

Perto de atingir o eloquente número de meio milhão de médicos em atividade ‒ hoje são mais de 450 mil ‒, o Brasil é, sem dúvida, um país que não precisava de um programa como o Mais Médicos. O que se sabia desde o início ‒ e que ficou confirmado depois ‒ é que por trás do discurso de interiorização haviam outros objetivos, estes nem um pouco nobres como se percebe com a abertura gradativa da caixa-preta do programa lançado em 2013 em meio ao clamor popular por mais saúde.

Como se constata, e não é preciso ir longe, a saúde pública no país vive um de seus piores momentos. Em muitos lugares está perto do caos, como acontece em alguns municípios da nossa região metropolitana e de outros pontos do Estado. Como pano de fundo da crise que se alastra e se aprofunda sem dar sinais de que irá sair da UTI está o histórico e sedimentado subfinanciamento da saúde, aliado à má-gestão e à corrupção, que suga, criminosamente, parte dos recursos públicos, prejudicando o trabalho médico e o atendimento dos pacientes.

Então, está muito claro que os males da saúde não passam pelo número de médicos brasileiros, todos com registro nos Conselhos de Medicina, como estabelece a legislação. Lei que era respeitada até que o Ministério da Saúde ‒ apesar da resistência dos Conselhos ‒ tomou para si a inscrição, sem o Revalida, dos intercambistas do Mais Médicos, de modo que até hoje persiste a dúvida sobre a formação dos milhares de profissionais cubanos do programa federal.

Agora, em relação ao trabalho médico, é também inegável que o Brasil tem médicos demais, muito mais que o necessário para atender a população. São mais de 20 mil médicos ingressando no mercado a cada ano, oriundos de 328 escolas médicas ‒ mais da metade privadas ‒, número que coloca o Brasil em segundo lugar no ranking mundial, atrás apenas da Índia, com suas 460 faculdades.

Está mais do que na hora de uma intervenção forte no setor, principalmente na formação médica, diminuindo a quantidade de escolas e de vagas, paralelamente a um trabalho para elevar a qualidade dos médicos egressos dos cursos.

Nesse aspecto, é interessante e oportuna a proposta do CFM, que defende pré-requisitos para que um município possa receber uma faculdade de medicina, sonho de nove entre dez prefeitos. Entre as exigências, destacam-se um mínimo de leitos do SUS para cada estudante, um serviço de urgência e emergência funcionando, além de programas de Residência Médica e a busca constante de qualificação dos docentes.

Em relação ao excessivo número de médicos em atuação no país, programas que busquem interiorizar os profissionais não podem relevar a importância de uma boa estrutura para que o médico possa exercer a medicina com maior qualidade e resolutividade.

O mais sensato seria o governo atender o pleito dos Conselhos de Medicina, que há anos defendem a implantação de um plano de carreira para os médicos do sistema público, a exemplo do que existe no judiciário, de modo a oferecer um atendimento digno à população.

No limiar de mais um ano, renovamos nossas esperanças de que um dia a saúde seja realmente para todos e que o trabalho médico seja mais reconhecido e valorizado.


Dr. Eduardo Trindade
Presidente do Cremers
Clique aqui para enviar sua mensagem, sugestão ou crítica diretamente para o Presidente

Institucional Câmaras Técnicas Comissões de Ética Conheça o CREMERS Contas Públicas Delegacias Diretoria Palavra do Presidente Vídeo Institucional História Cremers

Serviços Área do Médico Busca Empresas Busca Médicos Ativos CBHPM Concurso Emissão de Boleto Empregos Eventos Inscrição de Empresas Licitações Pareceres e Resoluções Perguntas Freqüentes Pessoa Jurídica Propaganda Médica Registro de Especialidade Médica

 

 

Imprensa Artigos Assessoria Informativo Cremers Notícias Twitter

Publicações Apresentações para Download Biblioteca Código PEP Regimento Interno dos Corpos Clínicos

 

Contato Fale com o CREMERS Fale com o Presidente Ouvidoria

 

 

 

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul - Copyright 2019 ©
Av. Princesa Isabel, 921 - Bairro Santana
Porto Alegre - RS - CEP: 90620-001
Telefone: (51) 3219-7544
Fax: (51) 3217-1968
E-mail: cremers@cremers.org.br
Horário de Atendimento:
De segunda-feira a sexta-feira
Das 08h40min às 18h00min